Fique por dentro das novidades!

Cafeína e Emagrecimento

cafeina

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ela ganhou fama por estar presente no café, mas o que poucos sabem é que ela pode ser encontrada em aproximadamente 63 tipos diferentes de plantas, em alguns remédios, chás e refrigerantes. A cafeína é extremamente solúvel em água e, se tomada em grande quantidade, pode agir no sistema nervoso central deixando-o em estado de alerta de curta duração.

Esta substância, que já até ganhou má fama, é mais comum do que se imagina. De acordo com a nutricionista Carolina Campos, entre os alimentos com cafeína estão o chocolate, chimarrão, chá preto, chá verde, guaraná, bebidas energéticas, refrigerantes a base de cola e até em alguns tipos de remédios. “As principais plantas que contém a cafeína são: chá mate (folhas e talos), cola, café (sementes), cacau (frutos)”, explica.

A cafeína ajuda a acelerar o metabolismo e, portanto, a queimar gordura. No entanto, a substância sozinha não é suficiente para fazer emagrecer; é preciso fazer atividade física também.

Não poderíamos falar de cafeína sem citar o café. A nutricionista Vanessa Alves Lobato explica que sua extração é diretamente proporcional ao tempo de contato da água quente com o pó. “Quanto mais tempo em contato com a água, mais cafeína será extraída”, conta.

A cafeína não representa nenhum valor nutricional para o organismo humano, se restringindo apenas ao seu efeito“excitante”. Todo a ação da cafeína no corpo depende da forma de preparo do produto, da quantidade utilizada e das condições do organismo que a consome, podendo o efeito variar de indivíduo para indivíduo.

O corpo humano não necessita de cafeína, embora o seu consumo moderado não esteja associado a nenhum risco à saúde, exceto em algumas situações especiais. Mulheres grávidas, pessoas com problemas cardíacos ou portadores de úlceras estomacais devem reduzir o consumo ou mesmo suprimi-lo. Para crianças, é necessário controlar o consumo, pois quando consumida em excesso, a substância pode levar à redução do apetite. Crianças hiperativas devem evitar a cafeína.

Um benefício atribuído ao consumo da cafeína está relacionado à sua capacidade de estimular a lipólise (quebra das moléculas de gordura no organismo), o que, teoricamente, favoreceria o emagrecimento. Porém, essa ação ocorre a um custo elevado para o organismo, com mobilização dos depósitos de gordura fazendo aumentar os níveis da mesma no sangue. Com isso, pode haver elevação do colesterol sanguíneo e, conseqüentemente, aumento do risco de infarto.

A mobilização dos depósitos de gordura pode ser útil para atletas em treinamento intenso, fazendo com que o organismo utilize a gordura como fonte de energia no lugar do glicogênio muscular; com isso, o corpo fica mais resistente à fadiga. Mas, mesmo para esse efeito, as quantidades devem ser controladas devido aos efeitos colaterais.

A cafeína é também diurética, ou seja, aumenta a excreção urinária fazendo com que o organismo perca mais água. Não havendo reposição em quantidade suficiente da água excretada, inicia-se um processo de desidratação, o que pode trazer graves conseqüências ao organismo.

Uma conseqüência negativa do consumo excessivo de produtos à base de cafeína diz respeito à interação dessa substância com a absorção de importantes nutrientes, principalmente o ferro. Estudos mostram que 1 xícara de café (100 ml) é capaz de reduzir a absorção (ou aproveitamento pelo organismo) do ferro em 30%. Assim sendo, o consumo de produtos que contenham cafeína, como o guaraná em pó ou o café, quando utilizados, devem ser ingeridos em horários diferenciados dos horários das principais refeições.

Outras conseqüências negativas do consumo dessa substância são o aumento da freqüência cardíaca (taquicardia) e o estímulo da secreção do ácido clorídrico no estômago (o que aumenta o risco de úlceras). Esses efeitos estão associados a um consumo elevado (acima de 250 mg de cafeína ao dia), mas também pode variar de acordo com a sensibilidade de cada indivíduo.

Novos estudos têm associado a cafeína ao tratamento de algumas doenças, mostrando já haver algum efeito positivo na prevenção do Mal de Parkinson. Também tem sido útil no tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção.

Outros estudos mostram haver efeito positivo da cafeína na prevenção de câncer de pulmão entre os fumantes.

O consumo frequente pode provocar dependência moderada e a interrupção brusca no consumo dessa substância pode causar dores de cabeça, sonolência, irritabilidade, náuseas e vômitos.

É uma substância incluída nos regulamentos de dopping de todas as federações esportivas (doses de 12 mcg/ml já podem ser consideradas dopping, o que pode se obtém com um consumo moderado de café).

O Conselho da Associação Médica dos EUA em Assuntos Científicos (American Medical Association on Scientific Affairs) recomenda consumo moderado de cafeína (até 250 mg de cafeína ao dia).

A tabela a seguir mostra quanta cafeína podemos encontrar nos mais variados alimentos. Confira e se surpreenda!

Quantidade de Cafeína nos alimentos
Alimento (porção em g ou ml) Quantidade de cafeína (mg)
Refrigerante a base de laranja (355ml) 0
Café Instantaneo e descafeinado (240ml) 3
Achocolatado pronto (220ml) 5
Café Filtrado e descafeinado (240ml) 6
Bebida a base de cacau (300ml) 9
Chá branco (240ml) 15
Chocolate ao leite (28g) 20
Chá verde (240ml) 25
Chocolate em pó (28g) 26
Refrigerante a base de cola (355ml) 36
Chá mate (240ml) 47
Café Instantaneo (240ml) 57
Bebida energética – Red bull (250ml) 76
Café Espresso (30ml) 77
Café Filtrado (240ml) 108

 

Fonte: Sites Mexido de Ideias, Bem Estar, Scribd

Ivan Stabnov – CRM: 52.58052-7

 

 

 

 

Share this :

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *