Fique por dentro das novidades!

Como parar de fumar? Veja razões, dicas e benefícios

cigarro 2

 

Patricia Zwipp/Ponto a Ponto Ideias

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. O vício mata cerca de 6 milhões de pessoas por ano, das quais mais de 600 mil são fumantes passivas. É um dos maiores fatores de risco para doenças crônicas, como as cardiovasculares, as de pulmão e o câncer. Portanto, se você fuma, está mais do que provado que deve parar.

 

“Além do excelente sentimento de confiança por livrar-se de uma dependência química, a pessoa sempre terá bons motivos para abandonar de vez o cigarro. Parar de fumar é a atitude isolada mais importante que um fumante pode tomar para melhorar sua saúde”, disse a médica nutróloga Seide Abdala.

 

Para conscientizar e incentivar a desistência do fumo, no Dia Mundial Sem Tabaco (31 de maio), o Terra, com a ajuda de Seide, do Instituto de Câncer e da Sociedade Brasileira de Cardiologia, apresenta curiosidades sobre fumo passivo, riscos de fumar, dicas para abandonar o vício e benefícios à saúde obtidos a partir do momento que o cigarro estiver fora de sua vida.

 

 

 

Prejuízos do Fumo

– São cerca de 4720 substâncias tóxicas existentes na fumaça do cigarro;

– Estatísticas revelam que os fumantes, em comparação aos não-fumantes, apresentam risco 10 vezes maior de desenvolver câncer de pulmão; cinco vezes maior de ter infarto, bronquite crônica e enfisema pulmonar; e duas vezes maior de sofrer derrame cerebral;

– O uso de anticoncepcionais associados ao fumo aumenta em 10 vezes a chance de derrame cerebral e infarto;

– Grávidas fumantes têm risco 70% maior de aborto espontâneo, 30% de perder o bebê próximo ou depois do parto e 40% do filho nascer prematuro.

Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Fumo Passivo

Fumante passivo é aquele que não fuma, mas convive com pessoas que fumam e fica exposto aos danos da fumaça/tabaco. “Sete brasileiros morrem a cada dia, vítimas do fumo passivo”, acrescenta o coordenador do Comitê Antitabaco da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Márcio Gonçalves de Sousa.

As crianças são as maiores prejudicadas e, quanto maior o número de fumantes dentro de casa ou em seu convívio social, maior é o risco de desenvolverem problemas respiratórios (pneumonia, asma, bronquite) e no sistema imunológico (infecções em geral, resfriados, otite média), além de déficit de atenção e perda na audição.

– No Brasil, 40% das vítimas do fumo passivo são crianças de até 5 anos;

– Metade das crianças no mundo (700 milhões) está exposta à fumaça do cigarro dentro de casa;

– Quando a grávida é fumante passiva, o cigarro passa do sangue para o bebê e aumenta as chances de a criança nascer prematura e com baixo peso, além de poder causar aborto espontâneo;

– Algumas substâncias tóxicas do cigarro passam para a criança por meio do leite materno;

– Muitas vezes, o fumante passivo corre mais riscos do que o próprio fumante. É que a fumaça do cigarro contém concentrações maiores de nicotina e de outras substâncias cancerígenas quando comparadas à tragada pelo fumante;

– O fumante passivo pode apresentar consequências a curto e a longo prazo. Entre as de curto prazo estão tosse, irritação nos olhos e nariz, dor de cabeça, alergias. A lista de longo prazo apresenta diminuição da capacidade de funcionamento do pulmão (enfisema pulmonar), maior risco de aterosclerose e infarto, aumento do risco de câncer de pulmão, aumento da pressão arterial e doenças cardíacas;

– Os componentes do cigarro são microscópicos e ficam na pele, no cabelo e até mesmo na roupa. São facilmente transportados, promovendo os efeitos negativos do fumo passivo. Portanto, fumar na sacada, no quintal ou na varanda não elimina o perigo. Mas, se não conseguir parar de fumar, evite ao menos o interior da casa e perto da família.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia

Benefícios de parar de fumar

Em qualquer idade ou fase do vício, vale a pena persistir na ideia de parar de fumar. Ao eliminar o cigarro, o corpo vai se desintoxicando aos poucos e os benefícios começam a aparecer.

– Após 20 minutos: a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal;

– Após 2 horas: não há mais a presença da nicotina na circulação sanguínea;

– Após 8 horas: o nível de oxigênio no sangue se normaliza;

– Após 12 a 24 horas: os pulmões passam a funcionar melhor;

– Após dois dias: o olfato começa a sentir mais os cheiros e o paladar percebe melhor os sabores dos alimentos;

– Após três semanas: a respiração se torna mais fácil e há melhora da circulação;

– Após dois a três meses: caminhar fica mais fácil, já que a circulação sanguínea aumenta;

– Após um ano: o risco de morte por infarto cai pela metade;

– Após cinco anos: o risco de desenvolver câncer de pulmão se reduz à metade; o risco de infarto se iguala ao das pessoas que nunca fumaram, assim como o risco de derrame cerebral;

– Após 10 anos: o risco de morte em consequência do câncer de pulmão se torna igual ao de não-fumantes. Os riscos de desenvolver câncer de boca, garganta e esôfago são reduzidos a quase zero.

Fonte: Dra. Seide Abdala

Como parar de fumar?

Decidido a parar de fumar? O importante agora é escolher uma data para ser o primeiro dia sem cigarro. Não deixe que seja um dia de sofrimento. Procure programar algo que goste de fazer e torne o dia agradável, até especial. “Para alguns fumantes, a data de parada é simbólica e é como aceitar o luto do cigarro, muitas vezes sofrido, que vai sinalizar que fumar é coisa do passado, como um rito de passagem”, disse a médica nutróloga Seide Abdala. “Tenha em mente que poderá ficar irritado, mal-humorado, nervoso e talvez desanimado no início, mas saiba que esses sintomas são controláveis e que irão desaparecer gradativamente.”

Há duas formas de parar:

1. Parada imediata
Essa deve ser sempre a primeira opção do fumante. Marque uma data e, a partir desse dia, não fume mais.

2. Parada gradual
Se não conseguir parar de uma vez, opte pela parada gradual, que pode ser feita de duas maneiras:

a) Reduzir o número de cigarros: o fumante deve contar o número de cigarros que consome por dia e ir diminuindo gradualmente. Se fuma 30 cigarros por dia, por exemplo, no primeiro dia consome a mesma quantidade; no segundo, 25; no terceiro, 20; no quarto, 15; no quinto, 10; no sexto, cinco; e no sétimo não fuma mais.

b) Retardar a hora do primeiro cigarro: por exemplo, no primeiro dia, o fumante começa a fumar às 9h; no segundo, às 11h; no terceiro, às 13h, no quarto, às 15h; no quinto, às 17h, no sexto, às 19h; e no sétimo não fuma mais. Não se deve levar mais de duas semanas nesse processo.

Fonte: Dra. Seide Abdala

Atitudes que ajudam a parar de fumar

– Livre-se de tudo que se refere ou lembra fumar, como isqueiros e cinzeiros. Vale até mudar de posição a poltrona ou o sofá onde estava acostumado a sentar-se para fumar.

– É preciso repensar a rotina para não cair em armadilhas e deixar o estresse tomar conta. Portanto, planeje atividades para “substituir” o cigarro. É sempre bom manter o prazer e o lazer, sempre evitando situações que podem levar a uma recaída, até se sentir mais seguro e fortalecido para encará-las.

– Mantenha o corpo e a mente saudáveis. Preencha seu tempo com atividades prazerosas. Caminhe, corra, dance, nade, cozinhe, vá ao cinema, leia, faça um curso, converse com os amigos.

– Desfrute as sensações de bem-estar, do aumento do fôlego e da resistência. Sinta-se livre do mau cheiro da fumaça do tabaco. Parabenize-se pela autoconfiança adquirida ao vencer essa empreitada.

– Utilize sempre como reforço frases como “quero viver sem cigarro”, “quero ser determinado”, “saúde é minha prioridade” e “não fumar mais é minha meta número um”.

Fonte: Dra. Seide Abdala

Ajuda para parar de fumar

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aconselhamento e medicação podem mais do que dobrar a chance do fumante ter sucesso na tentativa de parar de fumar. Acupuntura, hipnose, modificação comportamental e substitutos do cigarro também fazem parte da lista de ajudas, como informou a médica Seide Abdala. Confira alguns detalhes:

Substitutos do cigarro: adesivos, gomas de mascar, sprays nasais e comprimidos substitutos da nicotina fornecem ao corpo a substância ativa em sua forma pura (sem a fumaça rica em elementos prejudiciais) e são capazes de atenuar sintomas físicos da abstinência. A dose usual de nicotina é mais baixa que a dos cigarros. Além disso, o nível da substância no sangue sobe de maneira imediata quando a pessoa fuma, enquanto os substitutivos têm efeito apenas depois de aproximadamente 15 minutos, em média, o que torna improvável que os fumantes desenvolvam uma dependência em relação a esses produtos;

Tratamentos medicamentosos,: são substâncias ativas prescritas por médicos e que podem amenizar os sintomas da abstinência;

Vacina contra nicotina: estimula o sistema imunológico a formar anticorpos e reagir contra a nicotina. Esse método ainda está em estudo.

Fonte: Dra. Seide Abdala

Recaídas

Tenha em mente que a recaída não é um fracasso. A maioria dos fumantes que deixa o vício faz de três a quatro tentativas até parar definitivamente.

Se teve uma recaída, comece tudo novamente e procure ficar mais atento ao que o fez voltar a fumar. Dê várias chances a si mesmo até conseguir.

Fonte: Dra. Seide Abdala

Ivan.stabnov – CRM: 52.58052-4

 

Share this :

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *