Fique por dentro das novidades!

9 possíveis razões pelas quais você não emagreceu ainda

vegetais-fita-metrica

“Onde foi que eu errei?”

Por que é tão difícil perder peso? Certamente, grande parte das pessoas que costumam brigar com a balança já se fez essa pergunta ao menos uma vez na vida. A resposta, claro, não é simples, nem igual para todos.

São vários os fatores que podem influenciar no fracasso do emagrecimento, inclusive por problemas de saúde, como alterações hormonais. Mas, de acordo com a nutricionista Renata Kutwak, da Equipe EndoSlim, muitas vezes a gordura insiste em ficar devido a erros nos hábitos adotados.

A seguir, ela destaca alguns desses equívocos cometidos pelos pacientes e que acabam gerando prejuízo para o corpo.

1. Você não pratica exercícios regularmente

Não adianta só fazer dietas mirabolantes. Conquistar e, principalmente, manter o corpo ideal depende de atividade física frequente. Mas, segundo a nutricionista, muitas pessoas não conseguem criar uma rotina de exercícios, pelo menos 3 vezes por semana.

“Com isso, a pessoa não alcança o condicionamento físico adequado, não consegue reduzir a gordura corporal tão desejada, e não alcança o incremento da massa muscular”, afirma. Ela explica que esses resultados ajudam na aceleração do metabolismo e no gasto de calorias diário, levando à perda de peso.

2. Você não pratica exercícios regularmente

Não adianta só fazer dietas mirabolantes. Conquistar e, principalmente, manter o corpo ideal depende de atividade física frequente. Mas, segundo a nutricionista, muitas pessoas não conseguem criar uma rotina de exercícios, pelo menos 3 vezes por semana.

“Com isso, a pessoa não alcança o condicionamento físico adequado, não consegue reduzir a gordura corporal tão desejada, e não alcança o incremento da massa muscular”, afirma. Ela explica que esses resultados ajudam na aceleração do metabolismo e no gasto de calorias diário, levando à perda de peso.

3. Você adere às dietas da moda

As dietas da moda podem até ajudar a reduzir o peso por algum tempo, mas o resultado dificilmente será permanente e, por vezes, saudável. “Dietas da moda não modificam o hábito alimentar das pessoas, não criam hábitos saudáveis, que são tão importantes para a manutenção da perda de peso sustentável”, declara.

A quantidade de restrições impostas por muitas dessas dietas é outro ponto negativo, o que dificulta a manutenção do programa alimentar. A saída para isso é simples: reeducação alimentar, sem monotonia no cardápio e dando abertura para novos alimentos saudáveis.

4. Você está sempre estressado e trabalha demais

Grande parte das pessoas, principalmente aquelas que vivem nas grandes cidades, sofre com o estresse, seja no trabalho, seja no casamento, seja na vida financeira. A isso se somam as longas jornadas de trabalho e outras atividades, como cursos e outras atividades nas horas vagas. Mas o que isso tem a ver com o peso? Tudo.

Segundo Renata, “com essa carga toda de estresse, há uma maior liberação de cortisol, hormônio secretado pelas glândulas adrenais, que ajudam nosso corpo a regular a pressão sanguínea, o sistema imunológico e a insulina (que regula a glicemia do nosso organismo)”, explica. Em outras palavras, isso significa que, quanto mais estressado estamos, maior secreção de cortisol, maior o acúmulo de gordura abdominal e maior é o aumento de peso.

Além disso, quem dedica tempo excessivo ao trabalho costuma não ter energia suficiente para ir à academia e, por isso, não faz os exercícios físicos recomendados. Essas atividades não apenas queimam calorias, como também ajudam a produzir endorfinas, que, por sua vez, controlam o cortisol. A especialista afirma que técnicas de meditação, yoga e respiração também podem ajudar a reduzir a liberação dessa substância prejudicial e a equilibrar corpo e mente.

5.Você não resiste a um docinho

A sobremesa de cada dia pode ser uma perigosa inimiga, se for feita com açúcar. Segundo a nutricionista, a razão pela qual os doces são tão prejudiciais é a mesma dos refrigerantes comuns. Ao ingerir açúcar simples, o pâncreas libera o hormônio insulina para normalizar a resposta da glicose no organismo.

“A insulina, quando produzida em altas concentrações, é um estímulo ao anabolismo e ao acúmulo de gorduras, principalmente as abdominais, acarretando aumento do risco de doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2”, afirma.

6. Você dorme mal

Uma noite (ou várias) mal dormida pode afetar no peso das pessoas, de acordo com pesquisas recentes. O sono pode alterar o cérebro e, assim, aumentar o apetite das pessoas – principalmente em relação aos alimentos menos saudáveis, porém muito saborosos.

Um estudo feito na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, publicado no ano passado, indica que a privação do sono aumenta a disposição para comer itens mais gordurosos e reduz a capacidade de resistir a essa tentação.

7. Você não tem horários fixos para comer

Pessoas que pulam refeições, como o café-da-manhã, ou comem em horários desregulados têm também desvantagem no emagrecimento em relação a quem segue o relógio com mais rigidez. “Estas pessoas terão mais fome ao longo do dia do que aquelas que seguem horários fixos para se alimentar”, afirma.

Além disso, ficar muito tempo sem se alimentar pode reduzir o ritmo do metabolismo, já que o organismo que passa vários períodos sem alimento tende a poupar calorias (em vez de queimá-las). Por isso, Renata indica realizar 3 grandes refeições por dia (desjejum, almoço e jantar) e 2 pequenos lanches (da manhã e da tarde), sem ultrapassar o intervalo recomendado de 3 horas entre eles. Essa rotina ajuda a inserir hábitos saudáveis à alimentação e evita chegar à refeição com muita fome, o que leva ao exagero.

8. Você come quando está ansioso ou triste

Atrelar a comida às emoções ou ceder à gula são um caminho tortuoso para quem deseja emagrecer. Para evitar que o impulso de comer seja mais forte do que a vontade de manter o corpo em forma, a nutricionista recomenda não ficar com fome, comendo sempre de 3 em 3 horas. “Quem chega na próxima refeição com muita fome não consegue ser seletivo e acaba exagerando na quantidade de comida colocada no prato e sem as escolhas mais adequadas”, diz.

Outro ponto crucial, para evitar que a tristeza ou a ansiedade atrapalhem o peso, é consumir alimentos bons para o bom humor. Alguns vegetais, frutas, cereais integrais, grãos, oleaginosas, carnes magras, peixes e ovos são capazes de manter um bom nível do neurotransmissor serotonina.

Baixos níveis dessa substância no organismo estão associados à ansiedade, depressão, alterações de humor, irritabilidade, comportamento obsessivo-compulsivo e distúrbios do sono, segundo a especialista.

9. Você tem baixa autoestima

Baixa autoestima não afeta somente os relacionamentos interpessoais, mas também sua relação com a alimentação. Renata lembra que estudos recentes mostraram que pessoas inseguras e que não se aceitam bem tendem a descuidar dos hábitos alimentares.

Ela cita o exemplo de muitas mulheres com filhos que, muitas vezes, abrem mão dos exercícios físicos e hábitos saudáveis em nome da família e da comunidade. Isso, claro, não é uma exclusividade delas. Por isso, a nutricionista lembra que “o autoconhecimento é uma ferramenta importante para construir uma vida mais saudável e equilibrada”.

Fonte: Exame.com

Nutricionista Renata Kutwak

Share this :

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *